Saúde

Unidade de Retaguarda segue acolhendo pacientes e reduzindo riscos de agravamento da Covid-19

A Unidade de Retaguarda de Apoio ao Combate da Covid-19, instalada no Residencial 12 de Dezembro, vem cumprindo com o seu propósito de oferecer atendimento a pacientes contaminados pelo coronavírus que apresentem quadros com sintomas leves ou moderados.

Na rotina da Unidade, são servidas quatro refeições diárias, cumprindo as necessidades de uma dieta hospitalar. Segundo o secretário de saúde, será acrescida, ainda, mais uma refeição ao final da noite para os pacientes que chegarem após o horário do jantar.

A estrutura municipal não oferece o serviço de hotelaria. As macas são cobertas por lençóis descartáveis feitos de TNT, o que garantem menor risco de contaminação. Além disso, o município não dispõe de maquinário para lavar e higienizar as roupas de cama. Por esse motivo, a equipe solicita aos pacientes que levem seus cobertores, que serão devolvidos após o internamento.

A equipe trabalha devidamente paramentada com todos os EPIs necessários para a proteção dos profissionais. Uma cabine de desinfecção auxilia na redução de riscos de contaminação.

 “A secretaria de saúde vem buscando oferecer um tratamento humanizado, otimizando nossos equipamentos para atender melhor a população. Nos limites das nossas possibilidades, buscamos acolher pacientes e familiares, em sua maioria tensos, nervosos, preocupados. Mas a gente sabe que a pandemia é desumana. O isolamento é desumano. A falta de informação em tempo real é extremamente desumano para a família. Mas são protocolos que precisam ser seguidos para a proteção de todos”, explicou o secretário Hugo Sousa ao explicar que o paciente não pode ter acompanhante nem receber nenhum tipo de visita e que as informações são passadas por telefone, para o número cadastrado na internação em horários pré-definidos.

A Unidade de Retaguarda de Apoio ao Combate à Covid-19 tem neste sábado, 6 pacientes internados. A prefeitura tem trabalhado para estabilizar os pacientes, reduzir as possibilidades de agravo e a necessidade de transferência para hospitais de referência.