Parque da Matinha

– Informações dos animais do Parque Municipal da Matinha (PMM)


Arara Maracanã

fauna nativa
Nome científico: Primolius maracana
Distribuição geográfica: Região Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do Brasil; Paraguai e na Argentina.
Habitat: Beiras de Matas e Buritizais
Hábitos Alimentares: Herbívoro
Reprodução: incubação dura 26 a 27 dias, com 3 ovos em média
Período de Vida: Aproximadamente 40 anos
Embora vivam em bandos, são monogâmicas;
São muito vivas, resistentes, são barulhentas (não tanto como outras araras), particularmente no começo da manhã e no fim da tarde;
Machos e fêmeas são semelhantes, mas em média, as fêmeas têm menos vermelho na testa e no abdômen. O ideal para se ter certeza é o exame de DNA;
Alimentam-se principalmente de nozes, sementes, frutas e vegetais;
São monogâmicas;
Na natureza fazem seus ninhos em buracos de palmeiras mortas, e costumam usar o mesmo ninho ano a ano.


Papagaio Galego

fauna nativa
Nome científico: Alipiopsitta xanthops
Distribuição geográfica: Do Piauí à Bahia, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso até o oeste de São Paulo
Habitat: Vive no cerrado, caatinga e mata de galeria
Hábitos Alimentares: Herbívoro
Reprodução: incubação dura 24 dias, com 2 a 4 ovos em média
Período de Vida: Aproximadamente 60 anos
Popularmente conhecido por papagaio-de-barriga-amarela, papagaio-curraleiro, papagaio-curau e papagaio-goiaba;
A espécie não é das mais visadas comercialmente para o contrabando, porque está entre aquelas que não falam muito, no entanto sua plumagem é muito bonita;
É uma espécie bastante tímida e que não aprende facilmente a falar como o papagaio-verdadeiro;
É considerado muito arisco, quando detecta a presença de qualquer indivíduo, voa e pousa em locais de difícil acesso;
Ele possui uma plumagem verde clara, com barriga e cabeça de cor amarela, e bico é curvo rosado com uma mancha escura cor de chifre;
Eles consomem frutos, sementes e flores presentes no seu habitat. As espécies vegetais mais consumidas da ave são Pequi, Leucena, Pau-terra e Sucupira. Também consomem barro e casca de árvore;
São aves monogâmicas, sendo que o este papagaio se nidifica em fendas, buracos naturais nas árvores e também utiliza cupinzeiros abandonados.


Papagaio-verdadeiro

fauna nativa
Nome científico: Amazona aestiva.
Distribuição geográfica: Interior da América do Sul, do nordeste do Brasil, leste da Bolívia, Paraguai, até o norte de Argentina.
Habitat: Florestas úmidas, savanas, floresta de galeria, áreas cultivadas com árvores e matas com palmeiras.
Hábitos Alimentares: Herbívoro
Reprodução: Incubação de cerca de 24 a 29 dias, de 02 a 04 ovos.
Período de Vida: Aproximadamente 60 anos, em média, e pode chegar aos 80.
Dieta composta por sementes e frutos nativos;
São frequentemente observados em árvores frutíferas como mangueiras, jabuticabeiras, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros.
São aves sociáveis, inteligentes e ótimas imitadoras.
São conhecidos popularmente também como papagaio-comum, papagaio-curau, papagaio-de-fronte-azul, papagaio-grego, papagaio-baiano, trombeteiro, papagaio-boiadeiro e louro.
Os filhotes deixam o ninho após 60 dias de vida.
São geralmente vistos ao amanhecer em grandes grupos à procura de alimento, tanto nas copas das árvores mais altas quanto em arbustos frutíferos.
Não apresentam dimorfismo sexual, sendo necessária a realização de exame de DNA para a determinação segura do sexo.
São os papagaios mais procurados, pois possuem a fama de melhor falador entre todos os Psitacídeos brasileiros.
Apesar de sofrerem com a fragmentação de seu habitat e o comércio ilegal de animais silvestres, não estão classificados em nenhuma categoria de ameaça.
A única maneira legal de adquirir essa e outras aves da fauna brasileira é através de criadouros e lojas devidamente regulamentadas no Ibama e na SIMA.


Veado Catingueiro

fauna nativa
Nome científico: Mazama gouazoubira;
Distribuem-se do leste de México até o norte da Argentina;
Habitam florestas e margens de rios;
Seu período de gestação é de cerca de 220 dias, nasce 1 filhote;
Vivem aproximadamente 18 anos;
São animais solitários, mas que podem viver em grupo, e podem ser encontrados aos pares na natureza;
São ruminantes;
Necessitam ingerir capim diariamente;
Macho desenvolve chifres e afia os próprios chifres esfregando-os em troncos.


Avestruz

fauna exótica
no Brasil é considerado animal doméstico
Nome científico: Struthio camelus;
Habitam campos abertos;
São Herbívoros;
A incubação dos ovos dura aproximadamente 40 dias e põem de 15 a 60 ovos por ano;
Vivem aproximadamente 50 anos;
Ingerem partículas do solo que auxiliam na sua digestão;
É a maior espécie de ave do mundo.
Não tem quilha sobre o esterno e tem musculatura peitoral pouco desenvolvida, característica que as fazem não serem adaptadas ao voo. Além disso suas asas são rudimentares e as penas não apresentam a mesma estrutura que as asas das aves voadoras;
Vivem em bando de 5 a 50 indivíduos;
O ovo pesa cerca de 1,5kg. A casca do ovo é bastante rígida e espessa, difícil de quebrar (para tal necessita-se de ferramentas como martelo ou furadeira);
O macho é maior que a fêmea e possui penas pretas com a extremidade da asa com penas brancas. Nas fêmeas, a maior parte das penas é de coloração cinza;
São originárias da África;
Correm até 70 km/hora;
Os pés das avestruzes tem apenas dois dedos compridos e grossos em cada pé e são capazes de chutar com força suficiente para matar um leão.
Foram trazidos para o Brasil para serem criados em fazendas, principalmente com o objetivo de serem abatidos para o consumo de carne;
Aqui na matinha, os ovos nunca foram chocados. Caso aconteça, o novo animal fará parte do plantel do Parque.


Jabuti-piranga e Jabuti-tinga

fauna nativa
Nome científico do jabuti piranga: Geochelone carbonaria;
Nome científico do jabuti tinga: Geochelone denticulada;
Habitam florestas do Brasil;
Incubam os ovos por 180 a 270 dias, com ninhadas de 6 a 7 ovos;
Jabuti piranga possui escamas vermelhas nos pés e na cabeça;
Jabuti tinga possui escamas amarelas nos pés e na cabeça;
São as duas únicas espécies de jabuti encontradas no Brasil;
São terrestres. Não sabem nadar;
Vivem aproximadamente 80 anos;
Vivem em bando;
A fêmea possui plastrão (parte ventral do casco) reto;
O macho possui plastrão côncavo, o que permite o animal montar na fêmea para a reprodução.


Jupará

fauna nativa
Nome científico: Potos flavus;
Distribuem-se desde o México até o Sul do Brasil;
Habitam Amazônia, Pantanal e Mata Atlântica;
São onívoros;
Animal de hábito noturno, difícil de ser visualizado nas visitas diurnas;
Arborícola;
Apelidado de macaco da meia noite por causa de seus hábitos, embora não seja um primata
É um dispersor de semente;
A gestação dura cerca de 98 a 120 dias, e nascem em média, 2 filhotes;
É da Ordem Carnivora e Família Procionidae;
Foram grandes ajudantes na dispersão do cacau nas regiões de produção dessa fruta;
Vivem aproximadamente 35 anos em cativeiro;
Vivem solitários, ou aos pares para a reprodução e em bando para se alimentar.


Lhama

fauna exótica – considerado animal doméstico
Nome científico: Lhama glama;
Distribuem-se por Peru, Bolívia, Argentina e Chile;
Habitam regiões frias;
São herbívoros;
Gestação dura 330 dias, com 1 filhote;
Criados em fazendas dos países onde ocorrem para o transporte cargas, consumo de lã e eventualmente consumo de carne;
Podem cuspir quando irritadas, e antes de cuspir podem mostrar a língua como um sinal de advertência. O cuspe pode atingir até 5m de distância e não é abrasivo ou venenoso, apenas mau cheiroso;
São ruminantes;
Necessitam ingerir capim diariamente;
Vivem aproximadamente 18 anos;
Vivem em grupos.


Bugio preto

fauna nativa
Nome científico: Alouata caraya;
Distribuem-se por Brasil, Paraguai, Argentina e Bolívia;
Habitam em florestas do Cerrado, Pantanal, Caatinga, Mata Atlântica;
São essencialmente herbívoros, as vezes onívoros;
O período de gestação é de 6 meses, com 1 filhote;
Vivem aproximadamente 26 anos;
Arborícolas, de dossel (parte mais folhosa e alta das árvores);
O macho é preto, a fêmea é castanha;
Vivem em grupos de estrutura patriarcal;
São predominantemente folívoros;
São capazes de emitir sons/urros/gritos bastante altos, principalmente com o objetivo de alertar ao grupo sobre a aproximação de predadores, avisando que o grupo deve se reunir para ficar mais seguro;
Conhecido como macaco barbado e tem entre 4 e 6kg.


Píton reticulada

Fauna exótica
Nome científico: Phython reticulatus;
Distribuem-se pelo Sudeste da Ásia e Ilha de Java;
Habitam florestas tropicais;
São carnívoros;
O animal do recinto tem cerca de 7m e 150kg. A espécie pode ultrapassar 9m de comprimento e é considerada a maior espécie de serpente do mundo;
São ovíparas e põem de 25 a 80 ovos, que permanecem incubados por cerca de 85 dias. Enrolam-se sobre seus ovos para a incubação;
Vivem aproximadamente 30 anos em cativeiro;
Não são peçonhentas;
São animais solitários;
São constritoras. Matam as presas por asfixia, enroscando-se nelas;
Cobras não conseguem mastigar, portanto precisam engolir a presa inteira;
Ficam bem inativas após de alimentar.


Urubu rei

Fauna nativa
Nome científico: Sarcoramphus papa;
Possui distribuição neotropical, ocorrendo desde o centro do Peru, Sul da Bolívia, Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai até a Terra do Fogo. No Brasil, ocorre ao sul do rio Amazonas até o Rio Grande do Sul;
Seu nome “Rei” se dá por ele ser o primeiro a chegar no alimento e usar seu bico forte para rasgar e abrir o couro dos animais.
A estrutura localizada em cima de seu bico denomina-se cresta carnosa. O denominação utilizada para designar o gênero a que essa ave pertence significa “bico com carne” – do (grego) sarx = carne; e rhamphos = bico – justamente pela presença da cresta carnosa;
Possui uma envergadura que varia de 170 a 198 cm e peso que oscila de 3 a 5 kg, medindo cerca de 85 cm de comprimento. Tem cabeça e pescoço nus, pintados de vermelho, amarelo e alaranjado;
Quando é alimentado em cativeiro com carne fresca, é limpo e sem mau cheiro. Ao alimentar-se na natureza, de barriga cheia, exala um cheiro forte, repugnante.
Habitam em campos e matas;
São carnívoros;
Incubam ovos por 50 a 56 dias, põem 1 ovo por ninhada;
Vivem aproximadamente 40 anos;
Vivem solitários, em pares ou pequenos grupos;
Fêmeas e machos têm a mesma aparência, ou seja, essa espécie não possui dimorfismo sexual;
Na natureza se alimenta principalmente de carcaças de outros animais;
Encontram alimento muito mais a partir da utilização da visão do que do olfato;
Possui papo, como os das galinhas.


Carcará

Fauna nativa
Nome científico: Polyborus plancus;
Distribuem-se por todo o Brasil;
Habitam bordas de florestas e regiões abertas;
São onívoros. Embora comam principalmente carne, podem se alimentar de ovos, invertebrados e, ocasionalmente de vegetais;
São aves de rapina;
Incubam os ovos por 28 a 30 dias, produzindo 2 filhotes por ninhada;
Vivem aproximadamente 30 anos em cativeiro;
Vivem solitários, em pares ou pequenos grupos;
São animais caçadores;
Possuem garras e bicos adaptados à caça;
Não possuem dimorfismo sexual.


Jibóia

Fauna nativa
Nome científico: Boa constrictor;
Distribuem-se do México ao norte da Argentina;
Habitam matas, cerrados e caatinga;
São Carnívoros;
São vivíparas;
Produzem de 8 a 49 filhotes por ninhada;
Vivem aproximadamente 20 anos em cativeiro;
São animais solitários;
A espécie pode chegar a 4m de comprimento e é considerada a segunda maior espécie de serpente do Brasil. A primeira é a sucuri que atinge em média 6m de comprimento;
Não são peçonhentas;
São constritoras. Matam as presas por asfixia, enroscando-se nelas;
Cobras não conseguem mastigar, portanto precisam engolir a presa inteira;
Ficam bem inativas após de alimentar.


Píton indiana

Fauna exótica
Nome científico: Phyton molurus;
Distribuem-se pelo sul da China, Paquistão, Índia, Butão, Myanmar e Sri Lanka;
Habitam florestas tropicais, campos, pântanos, áreas rochosas e mangue;
São carnívoros;
São Ovíparos, põem em média 40 ovos;
Vivem aproximadamente 20 anos em cativeiro;
A espécie pode chegar a 4,5 m de comprimento;
São animais solitários;
Não são peçonhentas;
São constritoras. Matam as presas por asfixia, enroscando-se nelas;
Cobras não conseguem mastigar, portanto precisam engolir a presa inteira;
Ficam bem inativas após de alimentar.


Teiú

Fauna nativa
Nome científico: Tupinambis sp.;
Distribuem-se em áreas de florestas tropicais, de Cerrado e Caatinga;
Habitam clareiras e bordas de matas;
São onívoros;
São animais solitários;
Incubam seus ovos por 90 dias, e põem de 13 a 30 ovos;
Vivem cerca de 15 anos em cativeiro;
Podem usar a cauda ou mordidas para se defender;


Iguana

Fauna nativa
Nome científico: Iguana iguana;
Ocorrem no Brasil, principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Ocorrem também no México, América Central, Caribe e Bolívia;
São herbívoros que preferem se alimentar de folhas verdes;
São arborícolas, vivendo especialmente em áreas de florestas, mangues, savanas e caatinga;
São ovíparos, têm em média 30 filhotes por vez;
Vivem cerca de 15 anos;
Se defendem com mordidas e ataques com a cauda;
Machos e fêmeas podem possuir barbela;
Machos possuem fendas femorais, que são estruturas pequenas circulares na parte interna das coxas;
Possuem coloração verde acinzentadas, mas a exposição aos raios UVA e UVB permitem mudança de coloração, ficando esses animais alaranjados.


Araras Canindé

Fauna nativa
Nome científico: Ara ararauna;
Distribuem-se por toda América do Sul;
Habitam várzeas, babuçais e beira de matas;
São onívoros;
Incubam seus ovos por aproximadamente 30 dias;
Vivem cerca de 60 anos;
Possuem esse nome porque suas penas tem as cores da bandeira do Brasil;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
São capazes de comer alimentos rígidos como castanhas;
Na natureza, vivem em pares ou em pequenos grupos;
Necessitam bicar pois seus bicos não param de crescer. O hábito de bicar evita crescimento excessivo do bico. Se crescer demais pode machucar o animal ou dificultar a sua alimentação;
São animais monogâmicos. Os casais permanecem juntos durante toda a vida. Por isso a reprodução em cativeiro é tão difícil; não há como assegurar que aquelas aves já haviam adquirido parceiro na natureza, e, dificilmente formam um novo par em cativeiro a ponto de procriar.


Araras Macau

Fauna nativa
Nome científico: Ara macao;
Ocorrem principalmente na Amazônia brasileira. Mundialmente há registros em países como México, Panamá, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
São capazes de comer alimentos rígidos como castanhas;
Na natureza, vivem em pares ou em pequenos grupos;
Vivem cerca de 70 anos;
Seguram o alimento com uma das patas e se apoiam na outra pata, podendo ser destras ou canhotas (a maioria segura o alimento na pata esquerda);
Necessitam bicar pois seus bicos não param de crescer. O hábito de bicar evita crescimento excessivo do bico. Se crescer demais pode machucar o animal ou dificultar a sua alimentação;
São animais monogâmicos. Os casais permanecem juntos durante toda a vida. Por isso a reprodução em cativeiro é tão difícil; não há como assegurar que aquelas aves já haviam adquirido parceiro na natureza, e, dificilmente formam um novo par em cativeiro a ponto de procriar;
Possuem penas de coloração amarela, sendo a diferença mais visível entre essa espécie e as araras vermelhas.


Araras Vermelhas

Fauna nativa
Nome científico: Ara chloropterus;
Está distribuída em quase toda a América do Sul;
Habita florestas úmidas, caatinga, matas e capões;
Seus ovos são incubados por entre 28 a 30 dias, e põem 3 a 4 ovos;
Vivem por cerca de 70 anos em cativeiro;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
São capazes de comer alimentos rígidos como castanhas;
Na natureza, vivem em pares ou em pequenos grupos;
Necessitam bicar pois seus bicos não param de crescer. O hábito de bicar evita crescimento excessivo do bico. Se crescer demais pode machucar o animal ou dificultar a sua alimentação;
São animais monogâmicos. Os casais permanecem juntos durante toda a vida. Por isso a reprodução em cativeiro é tão difícil; não há como assegurar que aquelas aves já haviam adquirido parceiro na natureza, e, dificilmente formam um novo par em cativeiro a ponto de procriar;
Não possuem penas de coloração amarela, sendo a diferença mais visível entre essa espécie e as araras macau;
É muito comum em aves que apresentam dimorfismo sexual, que o macho seja o mais colorido, ou que tenha habilidades como dança, canto diferenciado ou construção de ninhos. Todas essas características/habilidades são utilizadas para a atração de parceira/seleção sexual.


Maitaca de cabeça azul

Fauna nativa
Nome científico: Pionus menstruus;
Distribuem-se pelo Brasil, Peru e leste dos Andes;
Habitam florestas e várzeas;
São herbívoros;
Incubam ovos por 24 dias. Põem de 3 a 4 ovos;
Vivem aproximadamente 30 anos;
Vivem em bandos;
Sofrem muito com o tráfico de animais
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
São capazes de comer alimentos rígidos como castanhas;
Necessitam bicar pois seus bicos não param de crescer. O hábito de bicar evita crescimento excessivo do bico. Se crescer demais pode machucar o animal ou dificultar a sua alimentação.


Aratinga de Testa Vermelha

Fauna nativa
Nome científico: Aratinga auricapillus;
Vivem aproximadamente 30 anos;
Podem botar de 3 a 4 ovos. O período de incubação dos ovos de 24 dias;
Vive em bandos grandes, compostos de 30 a 40 aves ou mais, que dormem coletivamente em variados lugares;
Ave endêmica do Brasil, habitando da Bahia ao norte do Paraná, Minas Gerais e sul de Goiás;
Fazem ninhos em troncos de árvores;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
São capazes de comer alimentos rígidos como castanhas;
Necessitam bicar pois seus bicos não param de crescer. O hábito de bicar evita crescimento excessivo do bico. Se crescer demais pode machucar o animal ou dificultar a sua alimentação.


Araçari de bico branco

Fauna nativa
Nome Científico: Pteroglossus aracari;
Distribuem-se pela Venezuela, Suriname, Guiana e Brasil;
Habitam Florestal tropicais;
Alimentam-se de frutas e invertebrados;
Fazem ninhos em ocos de árvores e reproduzem-se entre primavera e verão
Em geral chocam 2 ovos;
Vivem cerca de 15 anos;
Vivem solitários, aos pares ou em pequenos grupos;
Pertencem à mesma família do tucano toco;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
Tem a língua fina e tão comprida quanto o bico;
Comem vegetais e insetos.


Tucano toco

Fauna nativa
Nome científico: Ramphastos toco;
Distribuem-se das Guianas até a Argentina;
São onívoros;
Têm bicos enormes e coloridos, entretanto, essas aves tropicais não precisam de bicos grandes por causa de sua dieta de frutas e insetos, não se sabe, portanto, porque os tucanos tem bicos tão grandes; embora um bico gigante possa funcionar como um aparelho de ar condicionado que ajuda a refrescar o corpo.
Incubam os ovos por 16 a 18 dias, põem de 4 a 6 ovos;
Vivem em pares durante o período de reprodução e em bando após a saída dos filhotes;
Vivem cerca de 20 anos;
Sofrem muito com o tráfico de animais;
9 de 10 aves traficadas morrem antes de chegarem a seu destino final;
Tem a língua fina e tão comprida quanto o bico;
Comem vegetais, carne, insetos, ovos.


Coruja Murucututu

Fauna nativa
Nome científico: Pulsatrix perspicillata;
Distribuem-se do México à Bolívia, Paraguai, Argentina e Brasil;
Habitam zonas de florestas, matas com corpos d’água e capoeiras;
São carnívoros;
Incubam seus ovos por 35 dias, põem 2 ou 3 ovos;
Vivem cerca de 20 anos;
São animais solitários;
Corujas são caçadoras silenciosas (deslocam-se silenciosamente);
Possuem ótima visão e podem captar os menores movimentos;
As corujas tem uma plumagem macia em seu corpo e patas, isso ajuda a abafar o barulho de suas asas durante o voo e permite que elas se aproximem das presas silenciosamente. As penas em volta de suas orelhas ajudam a direcionar o som para o canal de audição;
As corujas não conseguem digerir todos os ossos, garras, peles e dentes que engolem. Essas partes duras são guardadas em uma parte do estômago da ave e depois expelidas pela boca, numa espécie de bola, como fazem os gatos;
Enquanto a maioria das aves apresenta olhos nas laterais da cabeça, corujas tem olhos bem na frente da face, o que ajuda a focalizar as presas e calcular a distância e velocidade de seu movimento;
Bico e garras adaptadas a caça;
Apesar de ser uma espécie de hábito noturno, na Matinha apresentam-se ativos durante o dia;
O filhote nasce branco e vai se colorindo à medida em que fica adulto;
Se arrepia e arregala os olhos como uma maneira de intimidar quando se sente ameaçada;
O indivíduo menor é uma subespécie de Murucututu.


Coruja Suindara

Fauna nativa
Nome científico: Tyto furcata;
Distribuem-se por quase todo o mundo, exceto na Atártica;
Habitam ambientes abertos, semiabertos, grutas, sótãos, forros, torres de igrejas e pombais;
São carnívoros;
Seus ovos são incubados por 32 dias, e põem de 04 a 07 avos;
Vivem em pares ou pequenos grupos;
Vivem aproximadamente 20 anos;
Corujas são caçadoras silenciosas (deslocam-se silenciosamente);
Possuem ótima visão e podem captar os menores movimentos;
Enquanto a maioria das aves apresenta olhos nas laterais da cabeça, corujas tem olhos bem na frente da face, o que ajuda a focalizar as presas e calcular a distância e velocidade de seu movimento;
As corujas tem uma plumagem macia em seu corpo e patas, isso ajuda a abafar o barulho de suas asas durante o voo e permite que elas se aproximem das presas silenciosamente. As penas em volta de suas orelhas ajudam a direcionar o som para o canal de audição;
As corujas não conseguem digerir todos os ossos, garras, peles e dentes que engolem. Essas partes duras são guardadas em uma parte do estômago da ave e depois expelidas pela boca, numa espécie de bola, como fazem os gatos;
Bico e garras adaptadas a caça;
Mantém o hábito noturno em cativeiro;


Aratinga de Bando

Fauna nativa
Nome científico: Aratinga leucophtalma;
Distribuem-se por Venezuela, Guiana, Suriname, Colômbia, Equador, Brasil, Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai;
Habitam florestas e manguezais;
São frugívoros;
Incubam ovos por 24 dias, põem 3 ovos em média;
Vivem cerca de 25 anos;
Costumam viver em grupos numerosos;


Pavão

Fauna exótica
Nome científico: Pavo cristatus;
É originário da índia e costumava habitar florestas;
É onívoro;
Incuba seus ovos por 30 dias, põem de 8 a 12 ovos;
Vive cerca de 30 anos;
O macho é o que tem a cauda comprida e colorida;
O macho abre a cauda para atrair as fêmeas para acasalamento. Esse comportamento é mais comum no período reprodutivo;
Vivem em bandos de estrutura patriarcal;
Há um período de muda das penas, quando caem parte das penas da cauda, para que cresçam novas penas.


Cutia

Fauna nativa
Nome científico: Dasyprocta sp.;
Distribuem-se pelo Brasil e norte da América do Sul;
Habitam zonas de florestas, cerrados e capoeiras;
São herbívoros;
Sua gestação dura cerca de 115 dias, com 2 filhotes;
Vive cerca de 15 anos em cativeiro;
Podem viver solitário, em pares ou grupos;
É um roedor dispersor de semente;
Tem o hábito de carregar sementes por longas distâncias e enterrá-las no chão, como uma espécie de estocagem;
Existem 9 espécies de cutia no Brasil;
Possuem dentes grandes e fortes;
Podem ser encontradas solitárias ou em pequenos grupos.


Anta

Fauna nativa
Nome científico: Tapirus terrestres;
Distribui-se por Amazônia, Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica;
Habitam florestas tropicais, matas ciliares, pântanos, veredas, lagos e córregos;
São Herbívoros;
Gestam por 13 meses, 1 filhote;
Vivem cerca de 25 anos;
Vivem solitários ou em pequenos grupos;
É o maior mamífero da fauna brasileira;
Apesar de possuir uma pequena tromba, elas não têm grau de parentesco próximos dos elefantes. São mais aparentados das zebras, cavalos e rinocerontes;
São animais solitários;
Costumam fazer os mesmos trajetos em seu habitat;


Tamanduá Bandeira

Fauna nativa
Nome científico: Myrmecophaga tridactyla;
Distribuem-se na América Central e América do Sul;
Habitam florestas tropicais úmidas, florestas secas, habitats naturalmente abertos e savanas
É insetívoro. Alimenta-se principalmente de formiga e cupins;
Gestam por cerca de 180 dias, com 1 filhote;
Vivem cerca de 25 anos;
Possui uma cauda comprida com pelos também compridos, se assemelhando a uma bandeira
É um animal insetívoro, que se alimenta principalmente de formigas e cupins;
Possui unhas longas e fortes que utilizam para sua defesa e para quebrar formigueiros e cupinzeiros;
Ao se sentirem ameaçados podem ficar em pé e de braços abertos para parecerem maiores. Ao “abraçar” o rival, pode causar ferimentos profundos com as suas unhas;
É um animal solitário, exceto em épocas reprodutivas ou de cuidado com os filhotes;
Tem hábito predominantemente noturno;
Nos zoológicos alimentam-se de papa com frutas, verduras, leite e proteína animal;


Suçuarana ou onça parda

Fauna nativa
Nome científico: Puma concollor;
Distribuídos por todo o continente americano;
Habitam florestas e montanhas;
São carnívoros;
Gestam por 95 dias, nascem 3 a 4 filhotes por gestação;
Vivem cerca de 20 anos em cativeiro;
São animais solitários;
São felinos carnívoros, caçadores;
São predominantemente noturnos, mas podem apresentar atividade diurna;
São animais solitários e territorialistas.


Gato do Mato

Fauna nativa
Nome científico: Leopardus tigrinus;
Distribuem-se da América Central até a América do Sul;
Habitam restingas, florestas tropicais, subtropicais, Cerrado e caatinga;
Sua gestação dura de 73 a 78 dias, com até 04 filhotes;
Vivem cerca de 20 anos em cativeiro;
São animais solitários;
São felinos carnívoros, caçadores;
São predominantemente noturnos, mas podem apresentar atividade diurna;
São animais solitários e territorialistas. Demarcam o território com urina e fezes.


Gato mourisco

Fauna nativa
Nome científico: Herpailurus yagouaroundi
Distribuem-se desde o sul dos Estados Unidos até a região central da Argentina
Habitam áreas abertas e de mata
São felinos carnívoros, caçadores;
Sua gestação dura de 63 a 75 dias, com 01 a 04 filhotes
Vivem aproximadamente 15 anos em cativeiro
Esse felídeo é geneticamente mais próximo do Puma concolor apesar de ser apenas um pouco maior que um gato doméstico;
Possui corpo delgado e alongado. A cabeça é pequena e achatada, as orelhas curtas e arredondadas, as pernas curtas e a cauda muito longa. Possui coloração variando do preto ou castanho escuro ao avermelhado;
Os indivíduos de coloração mais escura estão comumente associados a florestas enquanto que os mais claros são encontrados em ambientes mais secos;
Como é ativo durante o dia é um dos gatos mais comumente visualizados;
Alimenta-se basicamente de pequenos mamíferos, répteis e aves terrestres.


Jaguatirica

Fauna nativa
Nome científico: Leopardos pardalis;
Distribuem-se pela América do Norte e América do Sul;
São animais solitários;
São carnívoros;
Sua gestação dura de 70 a 85 dias, têm até 4 filhotes;
Vivem cerca de 20 anos em cativeiro;
São felinos carnívoros, caçadores;
São predominantemente noturnos, mas podem apresentar atividade diurna;
São animais solitários e territorialistas. Demarcar o território com urina e fezes.


Cachorro do Mato ou Raposa

Fauna nativa
Nome científico: Cerdocyon thous;
Distribuem-se pela América do Sul até o Norte da Argentina;
Habitam áreas abertas, campos e cerrados;
São Onívoros;
A gestação dura em média 56 dias, com 3 a 6 filhotes;
Vivem cerca de 11 anos em cativeiro;
São animais solitários;
Suas populações sofrem muito com atropelamentos em estradas;
Possuem cheiro forte característico;
Comem carne, vegetais e ovos;
Possuem hábitos crepusculares ou noturnos.


Jacaré do Papo Amarelo

Fauna nativa
Nome científico: Caimam latirostris;
Distribuem-se por Brasil, Uruguai, Norte e Nordeste da Argentina, Paraguai e Leste da Bolívia;
São carnívoros;
Colocam de 17 a 50 ovos por postura, que eclodem após 70 a 80 dias de incubação;
Vivem cerca de 50 anos;
Durante período reprodutivo ficam com a área do papo amarela;
Vivem em bando;
São animais que sofrem grande pressão por caça ilegal;
São animais bastante sedentários, que passam a maior parte do tempo na água ou tomando sol próximo a corpos d’água.


Macaco prego

Fauna nativa
Nome científico: Sapajus apella;
Distribuem-se pela América do Sul;
São onívoros;
A gestação dura 6 meses, e nasce 1 filhote;
Vive aproximadamente 40 anos;
São primatas assim como nós humanos;
Possuem muitas expressões e comportamentos semelhantes ao dos humanos;
São muito habilidosos e conseguem utilizar a cauda para se pendurar;
São capazes de pescar e utilizar, por exemplo, pedras como ferramentas para quebrar licuris.


Capivara

Fauna nativa
Nome científico: Hydrochoerus hycrochaeris;
Distribuem-se por toda América do Sul;
São herbívoros;
A gestação desses animais dura cerca de 120 dias, nascem 3 filhotes em média;
Vivem cerca de 12 anos;
É a maior espécie de roedor da natureza;
Estão sempre associados a corpos d’água;
São excelentes nadadores;
São estritamente herbívoros;
Vivem em grupos.

FIQUE ATUALIZADO